STATUS

segunda-feira, 23 de junho de 2014

UM OVO... AZUL!




No universo paralelo
Onde quem pensa, se esconde
Onde os princípios
E verdades deturpadas
Estão concomitantes engajadas.
Nesse mundo de faz de contas
Onde as contas não aparecem
Cujas cores prevalecem
Azul, laranja ou marfim
Enfim, chegam ao fim.
O mundo do avesso,
Oposto ou paradoxo.
Com Lucas, Luke
Ou quem quer que pense
Quem quer que seja
Quem quer que sonhe
Quem quer que veja
Nas águas intocadas do inimaginável
Descansa o ovo azul da existência
O ovo ou... os azuis?
Nem sempre criamos os monstros
Às vezes eles existem
Nós, apenas, coexistimos.
Bem...
E, qualquer que seja o princípio,
O importante é lembrar do ovo
E que ele é azul.


SIMONE ROCHA


quarta-feira, 18 de junho de 2014

SENHOR, NÃO SOU DOUTOR



_Formado?
Senhor, não sou doutor
E meu diploma é a pena
Que liberta.
_Letrado?
Senhor, eu sou errante
Não sou discreto,
Sou passante.
Sou feliz,
Um amargurado contente
Criticando e enaltecendo seu diploma.
Senhor, não sou doutor.
_Filósofo?
Senhor, nem pensador.
Não vivo de pensar,
Sou poeta,
Penso para viver.



 ...Seu diploma, minha pena. Nem um, nem outro diz quem somos (mas minha pena , ah, a minha pena... não fala, mas tudo sabe).

SIMONE ROCHA

VASTO





Vasto olhar de nossas vidas
Vastos são os vastos campos
Vastos campos de cruz, coroas
E lápides.
Vastas são as sementes plantadas
E poucas as flores colhidas.
Vasto meio em que vivemos
Inteiramente perdido no
Vasto espaço do escárnio.
Prudente, maldiz, criticando
Ambiguamente.
Vasto infinito,
O eterno, um conflito.
Vastamente, por todo lado,
Ilusão, iludido, enganado.
Vastas são as palavras ditas
Vastas são nossas letras escritas
Vastas são nossas vidas contadas
Reduzidas ao pó, vastamente engendradas.






SIMONE ROCHA

segunda-feira, 16 de junho de 2014

REINVENTAR




Dê-me um beijo
Diz o antiquado
Do amante e do comprometido
E do jovem destemido
Contrariando a estética
Entrando com a licença poética
Diz, então, enamorados
Parnasianos, românticos  e impressionistas
Todos os que, com a alma, amam
Dizem todos os dias
Deixa disso, ó perfeição, rimas métricas,
Exatidão
Despido de pudor
Me dá logo um beijo.






SIMONE ROCHA

quinta-feira, 12 de junho de 2014

INSPIRAÇÃO DA MINHA REALIDADE




De: Jaqueline P. Alvarenga
Para: Lucas Curcino

(FELIZ DIA DOS NAMORADOS)





Viveu-se a amizade
As brincadeiras,
Os abraços,
Os sorrisos
E mesmo as lágrimas.
Viveu-se o amor
E tornou-se promessa
Que hoje é saudade.
Restaram apenas resquícios de lembranças fugazes.
Da noite de chuva de pingos dourados
Refletindo o colorido das luzes da cidade.
Das tardes passadas,
Nos crepúsculos ao relento das praças e ruas
Acolher-me no brilho dos teus olhos.
Amar-te nos sorrisos,
Saudade...
Da rosa cor alegria,
Da hora esquecida,
Pois precisava ser vivida
E não podia ser medida em momentos reais.
Vontade de na vida viver
Sempre em teu abraço.
Realizar-se,
Converteu-se em verdade
Nos momentos simples e encantados.
Nossa felicidade escrita ficou
No tempo que passou
E se me perguntares se a lembrança dói
Ah! Eu direi
Que esses momentos são
A inspiração da minha realidade.





(Não sei se conseguiria contar as vezes que te disse: “Eu te amo. Meu amor. Minha vida. Minha paixão.” Quantas vezes já disse que você me faz superar os medos, que me faz sentir alguém?! Não havia nada que eu já não tenha dito. E foi buscando novas palavras para dizer que eu te amo que surgiu esta 'poesia'.  Espero que goste e que valha a intenção.)


JAQUELINE ALVARENGA



terça-feira, 10 de junho de 2014

DE PAI PRA FILHO




Indescritível, impressionante,
É lindo.
Como olhar para o céu estrelado
E desenhar seu rosto com traços entre o brilho lunar.
 De uma grandiosidade
Que não enxergo o fim sem me perder.
Estou descrevendo mais que um sentimento,
Algo que está além do que posso supor.
Não segui uma linha como grandes pensadores.
Comecei falando com um sentido e terminei em outro.
Não sou um poeta,
Nem doutor em letras.
O que descrevo e tento expressar
É meu amor por você,
MEU FILHO.
Te amo!


SIMONE ROCHA